Territórios e Vida Coletiva

Temas Contemporâneos Transversais

Ciência e Tecnologia
Direitos da Criança e do Adolescente
Diversidade Cultural
Educação em Direitos humanos
Educação para a valorização do multiculturalismo nas matrizes históricas e culturais Brasileiras
Trabalho
Educação Fiscal
Saúde
Educação ambiental

Competências Gerais

CONHECIMENTO

Valorizar e utilizar os conhecimentos historicamente construídos sobre o mundo físico, social, cultural e digital para entender e explicar a realidade, continuar aprendendo e colaborar para a construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva.

PROJETO DE VIDA E TRABALHO

Valorizar a diversidade de saberes e vivências culturais e apropriar-se de conhecimentos e experiências que lhe possibilitem entender as relações próprias do mundo do trabalho e fazer escolhas alinhadas ao exercício da cidadania e ao seu projeto de vida, com liberdade, autonomia, consciência crítica e responsabilidade.

ARGUMENTAÇÃO

Argumentar com base em fatos, dados e informações confiáveis, para formular, negociar e defender ideias, pontos de vista e decisões comuns que respeitem e promovam os direitos humanos, a consciência socioambiental e o consumo responsável em âmbito local, regional e global, com posicionamento ético em relação ao cuidado de si mesmo, dos outros e do planeta.

PENSAMENTO CIENTÍFICO, CRÍTICO E CRIATIVO

Exercitar a curiosidade intelectual e recorrer à abordagem própria das ciências, incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica, a imaginação e a criatividade, para investigar causas, elaborar e testar hipóteses, formular e resolver problemas e criar soluções (inclusive tecnológicas) com base nos conhecimentos das diferentes áreas.

SENSO ESTÉTICO

Valorizar e fruir as diversas manifestações artísticas e culturais, das locais às mundiais, e também participar de práticas diversificadas da produção artístico-cultural.

AUTONOMIA E RESPONSABILIDADE

Agir pessoal e coletivamente com autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação, tomando decisões com base em princípios éticos, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários.

COMUNICAÇÃO

Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como Libras, e escrita), corporal, visual, sonora e digital –, bem como conhecimentos das linguagens artística, matemática e científica, para se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos em diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao entendimento mútuo.

CULTURA DIGITAL

Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares) para se comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos, resolver problemas e exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva.

EMPATIA E COOPERAÇÃO

Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação,fazendo-se respeitar e promovendo o respeito ao outro e aos direitos humanos, com acolhimento e valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e potencialidades, sem preconceitos de qualquer natureza.

Habilidades

Ponto de partida - Dimensões das linguagens no espaço e no tempo

O que fica gravado em nós?
O que fica gravado em nós?
- Reconhecer, identificar e recriar sentidos estéticos presentes nas produções visuais de cunho histórico e identitário;
Prática de observação: o que é um celular?
Prática de observação: o que é um celular?
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
Presença: real ou virtual?
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
Momento significativo do esporte para um povo
Do contemplativo para o participativo: um momento significativo
- Apreciar e analisar a influência de distintas matrizes estéticas e culturais das Artes nas manifestações artísticas das culturas ocidental e oriental;
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Avaliar globalmente os resultados ao final do processo para conferir valor ao trabalho realizado;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Conhecer e manipular os diversos instrumentos e utensílios específicos do fazer artístico visual e artesanal;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
- Reconhecer a importância dos grupos sociais, seus saberes, identidades e culturas, com vistas a comportamentos humanos cada vez mais equilibrados;
- Reconhecer, identificar e recriar sentidos estéticos presentes nas produções visuais de cunho histórico e identitário;
- Valorizar a determinação, esforço, auto eficácia, perseverança e auto avaliação;
Lygia Clark e a fita de Moebius
- Apreciar e analisar a influência de distintas matrizes estéticas e culturais das Artes nas manifestações artísticas das culturas ocidental e oriental;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Avaliar globalmente os resultados ao final do processo para conferir valor ao trabalho realizado;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Conhecer e manipular os diversos instrumentos e utensílios específicos do fazer artístico visual e artesanal;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
- Reconhecer, identificar e recriar sentidos estéticos presentes nas produções visuais de cunho histórico e identitário;
As intervenções de arte e o cotidiano
As intervenções de arte e o cotidiano
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
Olhares coletivos: unir para multiplicar
Olhares coletivos: unir para multiplicar
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;

Aqui e agora, essa é a nossa língua

O tempo da cidade
A quem a cidade pertence?
- Conhecer, identificar, analisar, relacionar e distinguir os traços e os elementos que caracterizam as Artes Afro-brasileiras Contemporâneas bem como os diferentes aspectos estéticos e políticos;
- Identificar e se posicionar sobre as diferentes teorias que explicam a origem da vida na Terra.
- Identificar valores importantes para si e para o coletivo.
- Identificar o autoconhecimento como o processo do Ser Humano, que o leva a emancipação e autonomia.
- Reconhecer o aumento da tolerância nas relações interpessoais;
- Adotar a noção de multiterritorialidade, experimentando vários territórios ao mesmo tempo e de, a partir daí, formular uma territorialização efetivamente;
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Conhecer e validar as diversas formas de expressão presentes na cultura afro-brasileira;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
- Estruturar, relacionar, interpretar, organizar e produzir projetos temáticos, as relações processuais entre diversas linguagens artísticas, valorizando os elementos e recursos processuais específicos de cada uma das linguagens na cultura local;
- Fomentar a construção do “eu”, para estimular a autonomia, para encorajar nossas juventudes a se preparar para ir além do que, muitas vezes, se acredita e se credita a elas;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Identificar diferentes manifestações culturais de minorias étnicas, partindo de sua localidade como forma de compreender a multiplicidade cultural na escala mundial, defendendo o princípio do respeito às diferenças;
- Inspirar as juventudes a caminhar na direção dos seus desejos e sonhos alicerçados em bases éticas, democráticas e humanistas.
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover diálogos abertos com o território e que acolham as realidades das comunidades locais ;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
- Reconhecer a importância dos grupos sociais, seus saberes, identidades e culturas, com vistas a comportamentos humanos cada vez mais equilibrados;
Música pop: uma união latino-americana
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Conhecer e manipular os diversos instrumentos e utensílios específicos do fazer artístico visual e artesanal;
- Estruturar, relacionar, interpretar, organizar e produzir projetos temáticos, as relações processuais entre diversas linguagens artísticas, valorizando os elementos e recursos processuais específicos de cada uma das linguagens na cultura local;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
- Adotar a noção de multiterritorialidade, experimentando vários territórios ao mesmo tempo e de, a partir daí, formular uma territorialização efetivamente;
A vida que corre nas letras de um livro
Livros para quem precisa
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Inspirar as juventudes a caminhar na direção dos seus desejos e sonhos alicerçados em bases éticas, democráticas e humanistas.
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Reconhecer a importância dos grupos sociais, seus saberes, identidades e culturas, com vistas a comportamentos humanos cada vez mais equilibrados;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Promover diálogos abertos com o território e que acolham as realidades das comunidades locais ;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
A literatura e a linguagem marginal
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
- Reconhecer a importância dos grupos sociais, seus saberes, identidades e culturas, com vistas a comportamentos humanos cada vez mais equilibrados;
A voz que transforma
- Analisar e Comprrender a territorialidade na singularidade pluralidade da Bahia;
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover diálogos abertos com o território e que acolham as realidades das comunidades locais ;
- Reconhecer a importância dos grupos sociais, seus saberes, identidades e culturas, com vistas a comportamentos humanos cada vez mais equilibrados;
No slam e na vida
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Conhecer e manipular os diversos instrumentos e utensílios específicos do fazer artístico visual e artesanal;
- Estruturar, relacionar, interpretar, organizar e produzir projetos temáticos, as relações processuais entre diversas linguagens artísticas, valorizando os elementos e recursos processuais específicos de cada uma das linguagens na cultura local;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
Um mundo novo em movimento
Perceber os lugares por onde transitamos
- Adotar a noção de multiterritorialidade, experimentando vários territórios ao mesmo tempo e de, a partir daí, formular uma territorialização efetivamente;
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Avaliar globalmente os resultados ao final do processo para conferir valor ao trabalho realizado;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Conhecer e manipular os diversos instrumentos e utensílios específicos do fazer artístico visual e artesanal;
- Identificar o autoconhecimento como o processo do Ser Humano, que o leva a emancipação e autonomia.
- Estruturar, relacionar, interpretar, organizar e produzir projetos temáticos, as relações processuais entre diversas linguagens artísticas, valorizando os elementos e recursos processuais específicos de cada uma das linguagens na cultura local;
- Fomentar a construção do “eu”, para estimular a autonomia, para encorajar nossas juventudes a se preparar para ir além do que, muitas vezes, se acredita e se credita a elas;
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover diálogos abertos com o território e que acolham as realidades das comunidades locais ;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
Tempo, espaço - qual é a velocidade da vida?
- Adotar a noção de multiterritorialidade, experimentando vários territórios ao mesmo tempo e de, a partir daí, formular uma territorialização efetivamente;
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
- Fomentar a construção do “eu”, para estimular a autonomia, para encorajar nossas juventudes a se preparar para ir além do que, muitas vezes, se acredita e se credita a elas;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
Comunicar pode ser reinventar
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Conhecer e manipular os diversos instrumentos e utensílios específicos do fazer artístico visual e artesanal;
- Fomentar a construção do “eu”, para estimular a autonomia, para encorajar nossas juventudes a se preparar para ir além do que, muitas vezes, se acredita e se credita a elas;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
Encadeamentos
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
- Inspirar as juventudes a caminhar na direção dos seus desejos e sonhos alicerçados em bases éticas, democráticas e humanistas.

Espaço que partilhamos na vida social

Lugares para habitar, lugares para transformar
Da minha janela imagino mundos
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Coletar e interpretar informações sobre as implicações da exploração do espaço pelo ser humano.
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Inspirar as juventudes a caminhar na direção dos seus desejos e sonhos alicerçados em bases éticas, democráticas e humanistas.
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover diálogos abertos com o território e que acolham as realidades das comunidades locais ;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
Flash mob - um corpo coletivo dançante
- Apreciar, analisar e criticar as produções e apresentações de dança ocorridas na escola, na comunidade e em espaços culturais locais e nacionais;
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Conhecer e manipular os diversos instrumentos e utensílios específicos do fazer artístico visual e artesanal;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
Elaborar uma coreografia coletiva
- Apreciar, analisar e criticar as produções e apresentações de dança ocorridas na escola, na comunidade e em espaços culturais locais e nacionais;
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Avaliar globalmente os resultados ao final do processo para conferir valor ao trabalho realizado;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Conhecer e manipular os diversos instrumentos e utensílios específicos do fazer artístico visual e artesanal;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
Parkour - o corpo experimenta a cidade
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Promover diálogos abertos com o território e que acolham as realidades das comunidades locais ;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
Minha cidade - quantos caminhos a explorar?
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
- Promover diálogos abertos com o território e que acolham as realidades das comunidades locais ;
A tecnologia como território
A tecnologia dos shows
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
Os registros preservam a memória
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Conhecer e manipular os diversos instrumentos e utensílios específicos do fazer artístico visual e artesanal;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
A linguagem da videoarte
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
Do analógico para o digital
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
Corpo e movimento - o que é e o que fica?
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;

Viver e agir coletivamente

A tecnologia como território
Elaborar vídeos curtos
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Avaliar globalmente os resultados ao final do processo para conferir valor ao trabalho realizado;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Conhecer e manipular os diversos instrumentos e utensílios específicos do fazer artístico visual e artesanal;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
A rua é de todos
Intervenção literária pela cidade
- Adotar a noção de multiterritorialidade, experimentando vários territórios ao mesmo tempo e de, a partir daí, formular uma territorialização efetivamente;
- Analisar e Comprrender a territorialidade na singularidade pluralidade da Bahia;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Conhecer, identificar, analisar, relacionar e distinguir os traços e os elementos que caracterizam as Artes Afro-brasileiras Contemporâneas bem como os diferentes aspectos estéticos e políticos;
- Identificar e se posicionar sobre as diferentes teorias que explicam a origem da vida na Terra.
- Reconhecer possibilidades de viver em paz, de forma autossustentável e transcendente.
- Identificar valores importantes para si e para o coletivo.
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Avaliar globalmente os resultados ao final do processo para conferir valor ao trabalho realizado;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
- Estruturar, relacionar, interpretar, organizar e produzir projetos temáticos, as relações processuais entre diversas linguagens artísticas, valorizando os elementos e recursos processuais específicos de cada uma das linguagens na cultura local;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Inspirar as juventudes a caminhar na direção dos seus desejos e sonhos alicerçados em bases éticas, democráticas e humanistas.
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover diálogos abertos com o território e que acolham as realidades das comunidades locais ;
Hoje, em cartaz!
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Avaliar globalmente os resultados ao final do processo para conferir valor ao trabalho realizado;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Conhecer e manipular os diversos instrumentos e utensílios específicos do fazer artístico visual e artesanal;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Inspirar as juventudes a caminhar na direção dos seus desejos e sonhos alicerçados em bases éticas, democráticas e humanistas.
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover diálogos abertos com o território e que acolham as realidades das comunidades locais ;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
Saraus literários - a palavra corre na voz da periferia
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Reconhecer a importância dos grupos sociais, seus saberes, identidades e culturas, com vistas a comportamentos humanos cada vez mais equilibrados;
Mapeando percursos
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Avaliar globalmente os resultados ao final do processo para conferir valor ao trabalho realizado;
- Compreender a cultura digital e os processos de transformação socioculturais que ocorreram a partir do advento das tecnologias digitais de comunicação e informação;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
- Fomentar a construção do “eu”, para estimular a autonomia, para encorajar nossas juventudes a se preparar para ir além do que, muitas vezes, se acredita e se credita a elas;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover diálogos abertos com o território e que acolham as realidades das comunidades locais ;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
Texto escrito: Quem lê? Onde lê?
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
Encadeamentos
- Inspirar as juventudes a caminhar na direção dos seus desejos e sonhos alicerçados em bases éticas, democráticas e humanistas.
- Reconhecer a importância dos grupos sociais, seus saberes, identidades e culturas, com vistas a comportamentos humanos cada vez mais equilibrados;
Comunicação: redes tecidas no espaço
Tirando a venda
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Avaliar globalmente os resultados ao final do processo para conferir valor ao trabalho realizado;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
- Fomentar a construção do “eu”, para estimular a autonomia, para encorajar nossas juventudes a se preparar para ir além do que, muitas vezes, se acredita e se credita a elas;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Inspirar as juventudes a caminhar na direção dos seus desejos e sonhos alicerçados em bases éticas, democráticas e humanistas.
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover diálogos abertos com o território e que acolham as realidades das comunidades locais ;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
- Promover os direitos de todos e ao ambiente saudável;
- Reconhecer a importância dos grupos sociais, seus saberes, identidades e culturas, com vistas a comportamentos humanos cada vez mais equilibrados;
Um mundo de sons
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Avaliar globalmente os resultados ao final do processo para conferir valor ao trabalho realizado;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Reconhecer o papel da consciência para a ação integral (sentir, pensar e agir) do ser humano, no dia a dia das relações individuais, sociais e ambientais.
- Identificar o autoconhecimento como o processo do Ser Humano, que o leva a emancipação e autonomia.
- Fomentar a construção do “eu”, para estimular a autonomia, para encorajar nossas juventudes a se preparar para ir além do que, muitas vezes, se acredita e se credita a elas;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover diálogos abertos com o território e que acolham as realidades das comunidades locais ;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
Construir uma nova cidade
- Adotar a noção de multiterritorialidade, experimentando vários territórios ao mesmo tempo e de, a partir daí, formular uma territorialização efetivamente;
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Identificar valores importantes para si e para o coletivo.
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Inspirar as juventudes a caminhar na direção dos seus desejos e sonhos alicerçados em bases éticas, democráticas e humanistas.
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover diálogos abertos com o território e que acolham as realidades das comunidades locais ;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
- Promover os direitos de todos e ao ambiente saudável;
Ação: comunidade presente
Adote um jardim
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Conhecer programas relativos à Educação Ambiental, a fim de fortalecê-la e enraizá-la em toda a comunidad escolar;
- Coletar e interpretar informações sobre as implicações da exploração do espaço pelo ser humano.
- Reconhecer potencialidades e melhores maneiras de se relacionar com o mundo.
- Reconhecer possibilidades de viver em paz, de forma autossustentável e transcendente.
- Identificar valores importantes para si e para o coletivo.
- Fomentar a construção do “eu”, para estimular a autonomia, para encorajar nossas juventudes a se preparar para ir além do que, muitas vezes, se acredita e se credita a elas;
- Identificar os processos de urbanização e modernização da sociedade brasileira e avaliar suas contradições e impactos no território em que vive;
- Inspirar as juventudes a caminhar na direção dos seus desejos e sonhos alicerçados em bases éticas, democráticas e humanistas.
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover diálogos abertos com o território e que acolham as realidades das comunidades locais ;
- Promover os direitos de todos e ao ambiente saudável;
Transformação: minha cidade é nossa casa
Imaginar um mar de possibilidades
- Adotar a noção de multiterritorialidade, experimentando vários territórios ao mesmo tempo e de, a partir daí, formular uma territorialização efetivamente;
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Avaliar globalmente os resultados ao final do processo para conferir valor ao trabalho realizado;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Conhecer e entrevistar estudantes, artistas dançarinos, produtores da escola, da comunidade e também artistas e produtores artísticos, reconhecendo o valor de sua produção;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
- Estruturar, relacionar, interpretar, organizar e produzir projetos temáticos, as relações processuais entre diversas linguagens artísticas, valorizando os elementos e recursos processuais específicos de cada uma das linguagens na cultura local;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Identificar os processos de urbanização e modernização da sociedade brasileira e avaliar suas contradições e impactos no território em que vive;
- Inspirar as juventudes a caminhar na direção dos seus desejos e sonhos alicerçados em bases éticas, democráticas e humanistas.
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover diálogos abertos com o território e que acolham as realidades das comunidades locais ;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
- Reconhecer a importância dos grupos sociais, seus saberes, identidades e culturas, com vistas a comportamentos humanos cada vez mais equilibrados;
Teatro de rua
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
- Coletar e interpretar informações sobre as implicações da exploração do espaço pelo ser humano.
- Identificar valores importantes para si e para o coletivo.
- Identificar os processos de urbanização e modernização da sociedade brasileira e avaliar suas contradições e impactos no território em que vive;
- Inspirar as juventudes a caminhar na direção dos seus desejos e sonhos alicerçados em bases éticas, democráticas e humanistas.
- Promover diálogos abertos com o território e que acolham as realidades das comunidades locais ;
- Reconhecer a importância dos grupos sociais, seus saberes, identidades e culturas, com vistas a comportamentos humanos cada vez mais equilibrados;
Cine sonoro
- Aproximar do cotidiano e potencializar a construção de significados sobre o conhecimento;
- Articular o reconhecimento dos saberes e a construção dos conhecimentos, e devem acontecer de maneira articulada com os objetos de conhecimento das diversas áreas e por meio de diferentes processos e linguagens, a exemplo de colóquios, textos, músicas, poesias, artes visuais, artes cênicas e outras;
- Avaliar globalmente os resultados ao final do processo para conferir valor ao trabalho realizado;
- Compreender a ideia de rede no ato de conhecer, alterando formas e jeitos de aprendizagem e interpelando-nos a pensar novas maneiras de escolarização e de fazer cultura;
- Diagnosticar o que está sendo aprendido;
- Garantir que a escola seja um espaço de sociabilidade determinante na construção social desses sujeitos;
- Organizar práticas como ambiências criativas que acolham a participação dos estudantes, que reconheçam e promovam seu envolvimento político-comunitário;
- Possibilitar a aprendizagem ultrapassando o modelo hierárquico, sequencial, linear e fechado em tempos determinados;
- Promover intervenções para adequar o processo de ensino à efetividade da aprendizagem;
Encadeamentos
- Identificar valores importantes para si e para o coletivo.
- Reconhecer o papel da consciência para a ação integral (sentir, pensar e agir) do ser humano, no dia a dia das relações individuais, sociais e ambientais.
- Fomentar a construção do “eu”, para estimular a autonomia, para encorajar nossas juventudes a se preparar para ir além do que, muitas vezes, se acredita e se credita a elas;
- Inspirar as juventudes a caminhar na direção dos seus desejos e sonhos alicerçados em bases éticas, democráticas e humanistas.